Encontre a melhor canábis

CBD Para o Controlo da Dor

Produtos CBD / Junho 6, 2021

Quando se trata de controlar a dor continua e crónica, muitas das pessoas afetadas têm receio de utilizar os medicamentos de prescrição para controlar a sua dor. Um número crescente de pessoas que sofre de dor crónica está a recorrer ao CBD para o controlo da dor como alternativa.

Embora as terapias alternativas sejam utilizadas no mundo inteiro, a sua eficácia é um tema de forte debate entre os médicos e cientistas.

Neste artigo, aprofundaremos o assunto e identificaremos a ciência por detrás do CBD para o controlo da dor. Com essas informações, incentivamo-lo a continuar a instruir-se sobre as terapias alternativas disponíveis num sistema dominado pelos medicamentos de prescrição para a dor.

Como É Utilizado o CBD Hoje Em Dia

O cânhamo é a fonte principal de CBD utilizada nos Estados Unidos.

Até há pouco tempo, e por associação, tinha sido proibido no processamento e concentração em grande escala nas tinturas de óleo e noutros meios para fins de ingestão.

Embora a explicação para esta proibição seja longa e complexa, basta dizer que a concorrência da indústria e a relação da planta com a canábis rica em THC foram as que mais contribuíram para essa perceção.

À medida que os regulamentos eram flexibilizados, os produtos de CBD entravam no mercado de várias formas. Posicionado principalmente como uma substância para o controlo da dor, ansiolítica e anti-inflamatória, o CBD depressa se tornou uma alternativa principal aos métodos de controlo da dor tradicionais.

Os tantos pacientes que utilizam o CBD, fazem-no porque não tem as substâncias psicoativas encontradas na canábis, como o THC.

Com a capacidade de controlar a dor eficazmente, sem nenhum dos efeitos secundários prejudiciais encontrados tanto no THC, como nos opioides, é provável que aumente o número de pacientes que utiliza o CBD para o controlo da dor.

Que Tipos de Dor Pode o CBD Ajudar a Tratar?

A investigação está em curso para saber como os produtos de CBD podem ser aplicados no alívio de diferentes tipos de dor. Contudo, os indivíduos e organizações no mundo todo estão a investigar intensamente as aplicações desta substância útil.

A forma assumida pelo CBD pode dar uma boa indicação de como se destina a ser aplicado.

Dor inflamatória

Por exemplo, no caso da dor inflamatória, o European Journal of Pain realizou um estudo através de um modelo animal que mostrava a possibilidade de o gel de CBD aplicado na pele ser eficaz na atenuação da dor inflamatória associada à artrite.

No caso do exemplo acima, o estudo aplicou o gel de CBD a ratos com artrite ao longo de quatro dias. A equipa de testes observou uma redução da inflamação e dos indícios de dor sem efeitos secundários visíveis.

Os utilizadores humanos de produtos tópicos de CBD referiram muitos dos mesmos resultados sem efeitos secundários. Contudo, tem havido muito poucos estudos laboratoriais realizados com cobaias humanas para confirmar oficialmente estes relatos anedóticos.

 

Esclerose Múltipla

A Esclerose Múltipla (EM), uma doença autoimune, afeta todo o organismo e provoca dores intensas. Neste caso, os nervos e o cérebro são os canais utilizados pela doença para provocar dor nas pessoas afetadas.

Os espasmos musculares também são um sintoma normalmente presente associado à EM. Os espasmos podem manifestar-se em casos graves que provocam dor adicional nas pessoas com EM.

Verificou-se que o CBD alivia a dor e os espasmos musculares associados, embora os resultados tenham produzido apenas um alívio moderado. Tal como acontece com os resultados da eficácia no alívio da inflamação nos humanos, também as aplicações no tratamento da EM requerem um estudo mais aprofundado.

Cancro E Quimioterapia

Embora não seja um tratamento imediato para a dor associada ao cancro e à quimioterapia, o CBD tem-se mostrado como uma opção eficaz quando utilizado como um tratamento complementar.

A investigação preliminar sugere que é mais eficaz para combater as náuseas e a perda de apetite resultantes da quimioterapia e das radioterapias.

Nos EUA, não há uma opção aprovada pela FDA para aqueles que desejarem diminuir os sintomas da quimioterapia sem depender do THC. Aqueles que aceitarem a presença desta substância química psicoativa no seu regime de tratamento, encontrarão duas opções: o Marino na forma de cápsula e o Syndros na forma de tintura.

O Nabiximols é um spray oral que contém THC e CBD. Este está disponível para utilização no Canadá e na Europa como um remédio para a dor associada aos cancros. Apesar destas conclusões, o produto continua indisponível nos Estados Unidos.

Dor Crónica Geral

Talvez a aplicação que recebeu o estudo mais focado, o CBD utilizado no tratamento da dor crónica geral, tenha mostrado resultados mais promissores.

Realizaram-se dezenas de estudos e os resultados permitem concluir que o CBD para o controlo da dor é eficaz quando aplicado à dor crónica geral.

Um desses estudos, do European Journal of Pain, descreve a eficácia do CBD para o controlo da dor. Contudo, os mecanismos exatos utilizados não são muito óbvios.

Dosagem De CBD Para o Controlo da Dor

Como o CBD não tem a riqueza de investigação e regulamentação por detrás dele como outros medicamentos regulamentados pela FDA, os níveis de dosagem por indivíduo e caso de utilização podem variar muito.

Como tal, é importante consultar um médico ao administrar o CBD no tratamento de uma doença.

Esta conversa dará uma boa indicação de por onde começar em termos de dosagem para o seu caso de utilização particular. A partir daí, é possível aumentar ou diminuir a dosagem lentamente para atingir o nível de alívio desejado.

Efeitos Secundários

A maioria das pessoas tolerará o CBD para o controlo da dor sem efeitos nocivos.

Tal como acontece com muitas substâncias químicas, o CBD pode produzir efeitos secundários inesperados nos utilizadores. Contudo, estes são relativamente benignos.

De acordo com o NIH sobre Segurança e Efeitos Secundários do Canabidiol, os efeitos secundários mais comuns produzidos nos ambientes de laboratório são:

  • Fadiga
  • Diarreia
  • Alterações de apetite
  • Aumento ou perda de peso

Estes efeitos adversos podem ser agravados, ou surgir outros, quando o CBD é utilizado em conjunto com outros medicamentos de prescrição. Estas interações também podem aumentar ou diminuir a eficácia do CBD ou do medicamento em questão.

Consoante a maneira como o CBD é utilizado, os utilizadores também podem correr o risco de desenvolver problemas pulmonares.

Sempre que adicionar uma nova substância ao seu regime de tratamento, é importante consultar primeiro o seu médico. O seu médico de assistência pessoal terá o máximo de informações sobre a sua saúde atual e como alguns medicamentos adicionais influenciarão os efeitos dos que já estiver a tomar.

Últimas Novidades sobre Canábis